Jefferson Coriteac

quarta-feira, 22 Junho, 2016 - 13:45

O titular da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), Jefferson Coriteac, tem vasta experiência em gestão e na atuação sindical. Foi ativista, delegado sindical e, em 2000, foi eleito diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Hoje, ocupa a cadeira de 4º vice-presidente do Sindicato e é presidente do Conselho Fiscal da Força Sindical, cargos dos quais se encontra afastado desde que havia assumido o posto de secretário adjunto da Sead, há cerca de um ano. 

Em 1994, Coriteac iniciou sua trajetória sindicalista. Na administração pública, antes de vir para Brasília, atuava como chefe de gabinete da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do governo de São Paulo. Casado e pai de dois filhos, é formado em administração de empresas com especialização em processos gerenciais. Ele estudou também administração pública na Escola de Governo da Universidade de São Paulo (USP), por dois anos. 

No movimento sindical, Jefferson Coriteac teve a oportunidade de conhecer de perto o público jovem. Foi secretário nacional de juventude da Força Sindical, presidente de movimento de juventude do PDT e presidente do Comitê Mundial de Jovens da Confederação Internacional de Sindicatos, que tem base em Bruxelas, na Bélgica. Em suas atuações, tratou com movimentos sociais e associações.  

“Espero contribuir com as mudanças pelas quais o país passa neste momento e estamos desenhando novas políticas para a Sead. São projetos para quem está no campo. Ações efetivas que vão dar títulos de terra para pessoas que esperam por esses documentos há tempos. Nossa prioridade é desenvolver ações para beneficiar quem mais necessita”, detalha o secretário.

Para Coriteac, a agricultura familiar é, hoje, pouco reconhecida. “O investimento e o reconhecimento têm de ser muito maiores. Esses atores do campo, da água e da floresta produzem cerca de 70% do que vai para a mesa dos brasileiros. São essenciais para o desenvolvimento da agricultura e para a promoção da segurança alimentar do país”. O secretário acrescenta, ainda, que o investimento no crescimento da agricultura familiar potencializa a geração de empregos no campo e melhora a qualidade de vida daqueles que produzem para todos nós. 

 

 

 

Ir para o Topo