Dia Nacional da Saúde: a conscientização de uma vida de qualidade

sexta-feira, 3 Agosto, 2018 - 16:15
Ubirajara Machado

No dia 5 de agosto é comemorado o Dia Nacional da Saúde, em homenagem ao cientista, médico, bacteriologista, epidemiologista e sanitarista brasileiro Oswaldo Cruz. Esta data foi oficializada e inserida no calendário oficial brasileiro pelo Decreto-Lei nº 5.352, de 8 de novembro 1967, com o intuito de ressaltar a importância dos cuidados que devemos ter com o corpo e a importância de buscar o equilíbrio físico e mental.

Oswaldo Cruz foi uma importante personagem na história do combate e erradicação das epidemias da peste, febre amarela e varíola no Brasil. Nascido em 5 de agosto de 1872, foi responsável pela criação do instituto atualmente conhecido como Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e da Academia Brasileira de Ciências.

Para obter uma vida saudável vários fatores são importantes. Sendo um dos mais relevantes, a boa alimentação. No Brasil é possível escolher alimentos que sejam livres de substâncias químicas: os alimentos orgânicos. Eles são produzidos por agricultores locais que tiram o sustento do campo e da agricultura limpa, ou seja, sem aditivos como agrotóxicos ou hormônios. O meio agrícola, vem cada vez mais adotando práticas ecologicamente adequadas visando a agricultura ambientalmente sustentável, economicamente eficiente e socialmente justa.

A agricultura familiar tem um papel fundamental na produção dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, aumentando a disponibilidade de nutrientes à população e contribuindo com a comercialização dos alimentos. Com a utilização de sistemas naturais para combater pragas e fertilizar o solo, os alimentos orgânicos apresentam maior vitalidade, pois uma alimentação saudável e equilibrada, além de oferecer mais disposição e energia, ajuda na prevenção de algumas doenças como: câncer, obesidade, artrite, anemia, diabetes e hipertensão. 

A nutricionista Nathália Sayuri ressalta os benefícios para a saúde ao consumir alimentos livres de agrotóxicos. “Ao analisar a composição de nutrientes entre os alimentos orgânicos e os alimentos cultivados convencionalmente, verificou-se maior quantidade de nutrientes nos alimentos orgânicos.” Pontua. 

Pesquisas apontam o aumento de zinco, cálcio e potássio de alguns alimentos e menor teor de antinutrientes como alumínio, chumbo e mercúrio, ou seja, algo muito bom para a saúde e manutenção do organismo. Nathália afirma ainda que o meio agrícola é fundamental para a realização de um processo saudável. “A agricultura familiar tem um papel muito importante porque é dali que começa todo o processo, que além do cuidado com o plantio, também proporciona alimentos mais seguros. Ou seja, isentos de produtos químicos como agrotóxicos e com maior quantidade de nutrientes para levar para casa. ”

 

Da horta direto para a mesa

Na Serra da Ibiapaba, em Guaraciaba do Norte (CE), uma família mudou a vida de outras pessoas a partir do comércio e da temática da produção orgânica. Hoje, conhecido como o Portal do Orgânico, produz abóbora, acelga, alface, cebola, brócolis, temperos e ervas, tudo feito de forma sustentável. Um trabalho que já alcançou mercados fora de Guaraciaba do Norte. E na capital da cidade organizam feiras e atendem a órgãos públicos. Anualmente chegam a colher 83 tipos de alimentos, além de constituir 15 famílias produzindo.

A sócia-administradora do Portal do Orgânico, Sandra Alves Soares, 48 anos, é agricultora e filha de agricultores. Ela afirma que a maior importância da agricultura familiar para uma vida saudável é o zelo e o capricho no desenvolvimento da produção. “Produzimos de forma agroecológica para o nosso próprio consumo com o objetivo de promover a saúde e bem-estar da própria família e, consequentemente, para outros consumidores que buscam uma vida mais saudável.”
O trabalho de manejo de orgânicos traz diversos benefícios para uma vida de qualidade. “Ambientalmente contemplamos a preservação e a recuperação ambiental promovendo a biodiversidade, o que economicamente é bem mais viável pela qualidade nutritiva dos alimentos, e socialmente justo, pois o pequeno produtor pode desenvolver o manejo orgânico independentemente do tamanho da propriedade e atender a demanda local com custos menores”, enfatiza a administradora.

 

Gabriela Morais, estagiária sob supervisão da Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Contatos: (61) 2020-0120 e imprensa@mda.gov.br

Ir para o Topo