Dia da Amazônia: a biodiversidade em um único lugar

quarta-feira, 5 Setembro, 2018 - 17:00
Ubirajara Machado

Nesta quarta-feira, 5 de setembro, é comemorado o Dia da Amazônia, a maior reserva de biomas no planeta é um dos maiores patrimônios naturais de riqueza da biodiversidade mundial. A data foi escolhida em homenagem à criação da Província do Amazonas por D. Pedro II, em 1850, com o intuito de conscientizar e trazer reflexão sobre a importância do bioma para o bem sustentável no mundo. 

A Amazônia é detentora de uma biodiversidade sem igual, com área de aproximadamente 5,5 milhões de quilômetros. Está presente em oito estados brasileiros: Acre, Amapá, Pará, Amazonas, Roraima, Rondônia, Tocantins e parte do Maranhão e Mato Grosso, possuindo cerca de 600 milhões de hectares, ocupando mais da metade do nosso território.

Conhecida também por Floresta Amazônica, Floresta Equatorial da Amazônia, Floresta Pluvial ou Hileia Amazônica, sua área verde estende-se também para o Suriname, Bolívia, Guiana, Guiana Francesa, Venezuela, Colômbia, Peru e Equador.

O clima na região amazônica é predominantemente equatorial/quente e úmido. Outro recorde da Amazônia é a sua bacia hidrográfica, a maior do planeta. Com cerca de 7 milhões de quilômetros de extensão, nos rios amazônicos e seus afluentes encontra-se cerca de 3 mil espécies de peixes. É estimada a existência de cerca de 40 mil espécies de plantas, mais de 400 mamíferos e cerca de 1.300 aves. 

O solo é rico e está em constante reciclagem de nutrientes. Os alimentos presentes na superfície são rapidamente absorvidos pelas raízes das árvores, e essas plantas tornam a liberar nutrientes para o enriquecimento do solo, tornando possível o crescimento em 20% da produção de banana no Amazonas, com o cultivo feito de forma sustentável. 

Além disso, o impacto que a Amazônia tem sobre todo o mundo é bastante relevante, indo muito além do que se pode ver. A absorção de carbono para a vegetação da floresta ajuda, significativamente, na diminuição do dióxido de carbono lançado à atmosfera. A queima e destruição desta mesma vegetação, por sua vez, libera grande quantidade desse mesmo dióxido de carbono. Fica evidente o grande impacto que a Floresta Amazônica pode ter sobre todo o clima do mundo.

Vale destacar também que a Amazônia abriga várias comunidades tradicionais que dependem diretamente da floresta para o seu sustento.

A exemplo, em Manaus, a Associação dos Produtores Rurais da Comunidade Nova Esperança (Asprones), desde 1996, faz o plantio de dois tipos de cultivo de bananas e chega a produzir anualmente 2 mil toneladas. A cooperativa atende 108 produtores agrícolas, fazendo a comercialização dos produtos e fornecendo para as feiras de Manaus. 

A produção da Asprones é feita em Rio Preto da Eva (AM), e utiliza insumos como o calcário para equilibrar o pH do solo e, consequentemente, diminuir a acidez, disponibilizando os nutrientes necessários às plantas. Utiliza-se também, de outros nutrientes para fazer a nutrição da lavoura e melhorar a produtividade, além de realizar alguns tratos culturais a cada 15 dias, como a eliminação de brotos e de folhas secas. 

O presidente da Asprones, Luiz Matos de Abreu, 41 anos, é agricultor familiar e filho de agricultores. Ele afirma que a cooperativa não faz uso de agrotóxicos, “para eliminarmos ervas daninhas por exemplo, nós utilizamos de roçadeiras para fazer a limpeza da lavoura. ”

Para o agricultor, o cuidado com o solo e a preservação do ecossistema é algo fundamental para a cooperativa. “Conservamos nossos rios subterrâneos com práticas sustentáveis e, consequentemente, não denegrimos a nossa floresta com produtos químicos. Podemos assim, garantir uma produção com sustentabilidade tanto para o meio ambiente quanto para os agricultores que têm uma sustentabilidade econômica”, conclui.

A grande extensão desta floresta e as riquezas imensuráveis ali presentes são essenciais para o desenvolvimento e o avanço da nossa sociedade.

 

Gabriela Morais, estagiária sob supervisão da Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Contatos: (61) 2020-0120 e imprensa@mda.gov.br

Tags da notícia: 
Ir para o Topo