Caatinga: a região mais ruralizada do Brasil

sexta-feira, 28 Abril, 2017 - 12:45
Denise Cardoso dos Santos ajudou a fundar a Coopercur, cooperativa que mudou o jeito de aproveitar os recursos naturais da Caatinga

Mata clara e aberta. Períodos secos. Poucas nascentes. Calor. Semiárido. Essa é a Caatinga. Bioma exclusivamente brasileiro. Abrange territórios de oito estados do Nordeste mais o Norte de Minas Gerais. Abraça 27 milhões de pessoas. Grande parte delas, cerca de 40%, dependem dos recursos do bioma para sobreviver. A Caatinga é a região mais ruralizada do Brasil: 32% dos estabelecimentos agropecuários brasileiros estão lá. Ao todo, 1,6 milhão de propriedades, sendo 75% delas de no máximo 20 hectares. Caatinga é, essencialmente, agricultura familiar.

Com área de cerca de 844.453 quilômetros quadrados, o equivalente a 11% do território nacional, a Caatinga é um dos biomas do semiárido, junto do Cerrado. Engloba os estados Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais. O Semiárido brasileiro é formado por 1.133 municípios. A população total da região é de 22,6 milhões de habitantes, o que representa 12% da população brasileira. Hoje (28 de abril) é comemorado o Dia Nacional da Caatinga. A data foi instituída em 20 de agosto de 2003 por meio de um decreto federal publicado no Diário Oficial da União. A data homenageia o professor João Vasconcelos Sobrinho (1908/1989), pioneiro na área de estudos ambientais no Brasil.

No meio rural são 8,6 milhões, ou seja, 38% da população rural brasileira reside no Semiárido. Vivem de pequenos estabelecimentos e têm a agropecuária como principal atividade. Ao longo do ano, de acordo com as safras, os agricultores também coletam espécies nativas para se alimentar, vender ou processar, como uma forma de complementar a renda.

Denise Cardoso dos Santos, 27 anos, sabe bem sobre isso. Filha e neta de agricultores, não largou a terra por um minuto sequer. Cresceu e viveu da produção rural, lá em Curaçá, município baiano, com pouco mais de 32 mil habitantes. Ajudou a fundar a Coopercur, cooperativa que mudou o jeito de aproveitar os recursos naturais da Caatinga. Com uma mudança de comportamento, trouxe para a região formas de continuar com o uso, mas preservando o meio ambiente, com uma técnica de extrativismo sustentável.

Até a chegada da Coopercur, a cultura era de colheita para vender por meio de atravessadores. Colhia- se a fruta, principalmente, o umbu, nativo da região, na base da porrada. Com uma vara, o agricultor batia na árvore, nos galhos, até que o fruto caísse no chão. Catava, colocava em um saco e o revendedor levava para as grandes cidades, como Feira de Santana, Salvador, Vitória da Conquista. Hoje, os umbus são catados um a um, lá em cima da árvore. Iniciativa para preserva mais de 100 anos de umbuzeiro.

"As pessoas não se preocupavam com possibilidade de os recursos não existirem mais. Sequer pensavam no replantio das árvores. Pensamos diferente e começamos a fazer um processo de formação social, para que entendessem que essa não era a maneira correta", explica a agricultora, que hoje é presidente da Coopercur. Outra iniciativa do grupo, repassada para os 271 cooperados, é o de replantio. Apesar das dificuldades vividas nos últimos dois anos pelas populações do Semiárido Brasileiro, por conta dos longos períodos de estiagem, os agricultores têm se esforçado na produção de mudas em viveiros. O estoque é de 400 mudas para esse ano, que serão distribuídas aos agricultores durante o período da chuva. Todo esse processo de plantação e uso é acompanhado de perto pela cooperativa.

Plantam, colhem, cuidam, e vendem as frutas in natura, geleia de maracujá da Caatinga, de umbu, compotas, sucos e outros deleites como doce de goiaba e de banana com maracujá. Saíram as porradas nas árvores, entraram as técnicas sustentáveis. Minimizaram os atravessadores e mergulharam em programas de comercialização, como o de Aquisição de Alimentos, promovido pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead).

Segundo Denise, a consciência tem mudado e pautado comportamentos que manterão o bioma vivo por mais tempo. "A nossa produção sai dessas áreas. Precisamos cuidar. Temos nossas miniunidades de produção, os agricultores conseguem trabalhar de forma artesanal, garantimos a comercialização e eles ainda podem fazer o próprio beneficiamento das frutas. Estamos com projeto de construir um matrizeiro, uma espécie de majedoura, para novas mudas. É um novo tempo", comemora a agricultora. A biodiversidade da caatinga ampara ainda diversas atividades econômicas voltadas para fins agrosilvopastoris e industriais, especialmente nos ramos farmacêutico, de cosméticos, químico e de alimentos.

Conservação

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) trabalha com unidades de conservação, espalhadas por todos os biomas brasileiros. Hoje, é a principal ferramenta do governo para manter essas regiões sob constante cuidado. Ao todo, são mais de 2 mil unidades de conservação espalhadas pelo Brasil, sendo 327 do governo federal. São separadas em 12 categorias, que se encaixam em dois grandes grupos: o de Proteção Integral e o de Uso Sustentável (Veja quadro). As unidades são geridas pelo Instituto Chico Mendes, desde a IN 29/2012.

O documento contém as regras construídas e definidas pela população tradicional beneficiária da Unidade de Conservação de Uso Sustentável juntamente com o Instituto Chico Mendes quanto às atividades que são tradicionalmente praticadas, como deve se dar o manejo dos recursos naturais e o uso e ocupação da área, com o objetivo de conciliar as atividades com a conservação ambiental. No bioma Caatinga, são cerca de 30 unidades de conservação.

Riscos

Apesar da importância do bioma para o mundo, o desmatamento acelerado para o consumo de lenha nativa, explorada de forma ilegal e insustentável, para fins domésticos e industriais, chega a 46% da área do bioma, segundo dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA). A proposta do governo é criarnovas unidades de conservação, federais e estaduais, para promover alternativas para o uso sustentável da sua biodiversidade.

Dentro da Secretaria de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), junto do movimento Slow Food, o umbu está na lista dos alimentos que devem ser preservados, pois correm o risco de sumirem da mesa do consumidor. O umbu está em risco porque depois dá introdução da caprinovinocultura, principal fonte de renda das famílias, não nasceram mais pés de umbuzeiro de forma espontânea na Caatinga, e não dá para saber quanto tempo estas árvores resistirão.  A Coopercur é uma das cooperativas reconhecidas pelo replantio dos umbuzeiros em algumas comunidades da Bahia.

Campanha da Fraternidade

Conscientizar-se da importância de conservar o meio ambiente virou tema da Campanha da Fraternidade (CF) 2017: Biomas brasileiros e diversidade da vida", com o lema "cultivar e guardar a criação”. A Secretaria de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) publica uma série de matérias sobre os principais biomas brasileiros, e mostra como a inclusão produtiva dos agricultores, dos povos e das comunidades tradicionais ajudam a preservar esse universo. Leia mais aqui.

Conheça

A caatinga tem:

178 Espécies de mamíferos

591 Espécies de aves

177 Espécies de répteis

79 Espécies de anfíbios

241 Espécies de peixes

221 Espécies de abelhas


Camila Costa
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0128 / 0127 e imprensa@mda.gov.br

Ir para o Topo