Aniversário de Brasília: onde o verde envolve o urbanismo

quinta-feira, 20 Abril, 2017 - 18:30
Paulo H Carvalho / Ascom Sead
Na capital do país existem 19 mil propriedades voltadas para a agricultura, são 67% do território

 

A capital do Brasil, inaugurada em 21 de abril de 1960, pelo então presidente Juscelino Kubitschek faz aniversário nessa sexta-feira (21). São 57 anos de história, que transformaram Brasília em algo que escapou dos limites planejados pelo arquiteto Oscar Niemeyer em parceria com o urbanista Lucio Costa. Aquela cidade projetada no final da década de 50 para ser a sede do governo brasileiro foi crescendo e tomando outro formato, que vai além do famoso “Plano Piloto”, composto por quadras, eixos e tesourinhas. 

A figura de um avião, a particularidade do quadradinho do país quando visto dos ares, permanece ali e, ao redor, os brasilienses foram criando uma nova Brasília, aquela que se destaca pelo trabalho no campo. A capital é conhecida internacionalmente, mas essa característica marcante nem todos imaginam: é uma das poucas no mundo com uma produtiva área rural. 

“A área rural cresceu junto com a cidade e de forma extremamente dinâmica e produtiva, com foco na demanda dos consumidores. É a agricultura mais diversificada do Brasil e tem o maior Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP)”, ressalta o presidente da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer) e da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), Argileu Martins.

O famoso quadradinho do Distrito Federal, na região Centro-Oeste do Brasil, possui cerca 5.800 km² e, aproximadamente, 4 mil deles são considerados áreas rurais. Segundo a Emater-DF, existem 19 mil propriedades voltadas para a agricultura (produção de hortaliças, grãos e frutíferas, entre outras), o que representa 67% do território da unidade federativa. Esse contingente é responsável por 80% da criação de bens campestres no DF, o que resulta em autossuficiência para algumas áreas. 

No caso de pimentão, hortaliças folhosas e grãos, Brasília ostenta a maior produtividade desses gêneros no país. O censo populacional do IBGE (2010) mostrou que há 90 mil moradores nessas áreas, dos quais 40,4 mil trabalham nas terras. E é neste universo que se encontram os agricultores familiares. “A agricultura familiar significa mais alimentos, mais saúde, mais preservação do meio ambiente pelas formas sustentáveis de produção, geração de mais empregos por gerar mais oportunidade e assim mais distribuição da riqueza”, comenta Argileu Martins sobre a importância da atividade.

A produção de hortaliças é uma das mais importantes atividades econômicas do setor rural no DF e gera mais de 30 mil empregos. A produção é oriunda de mais de 2,5 mil empreendimentos de agricultores familiares (83%). No ano passado, a Emater-DF realizou 15.580 atendimentos a 2.296 agricultores em ações relacionadas principalmente à inovação tecnológica, irrigação, transição agroecológica, comercialização, melhoria da qualidade e segurança dos alimentos, agregação de valor e inclusão produtiva e organização do setor.

De acordo com dados da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), existem 3.345 agricultores familiares registrados, ou seja, que possuem a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP). A obtenção do documento é o primeiro passo para acessar políticas públicas do governo brasileiro voltadas para o setor, o que possibilita o maior desenvolvimento das famílias do campo. O Distrito Federal tem 25 DAP's jurídicas, que identificam organizações econômicas como cooperativas, associações e pequenas agroindústrias. Leia mais sobre a DAP neste link

 

Fernanda Lisboa
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0123 e imprensa@mda.gov.br

 

Tags da notícia: 
Ir para o Topo