A alimentação saudável nas escolas de Castro/PR

sexta-feira, 29 Dezembro, 2017 - 13:00
Ubirajara Machado

Em Castro (PR), cidade distante 193 quilômetros de Curitiba, um tipo de fruta como banana e maçã sempre acompanha a alimentação dos cerca de 8,2 mil alunos da rede pública de ensino. As frutas são orgânicas e produzidas por agricultores familiares da própria região. E para garantir o fornecimento em 2018, a Prefeitura lançou chamada pública no valor de R$ 1,7 milhão, mapeada pelo Sistema Oportunidades da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead).

O edital do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) tem alto valor de compra graças ao investimento compartilhado, onde 94,7% vem do governo federal e 5,3%, como contrapartida da prefeitura. Já a aquisição de produtos saudáveis – “cerca de 90% dos alimentos comprados da agricultura familiar” – é fruto da “forte cultura orgânica” do município, segundo a nutricionista da Secretaria de Educação, Lia Giordani.

Ela explica que a definição dos cardápios das escolas se dá com base na carga horária e na série dos alunos. Por exemplo, na semana entre 27 de novembro e 1º de dezembro de 2017, foram servidas quatro refeições (macarrão à bolonhesa, quirera (canjiquinha) com pernil, baião de dois, sempre com salada e/ou fruta) e um lanche (pão com bebida e fruta) para as crianças entre 6 e 10 anos, matriculadas no período parcial.

No caso do período integral, que atende alunos entre 1 e 10 anos, são servidas quatro refeições diárias. Na última semana de novembro de 2017, o desjejum foi composto de chá de ervas aromáticas e pão integral com geleia, o almoço de arroz, feijão, carne e salada, o lanche de vitamina de polpa de fruta e o jantar de macarrão à bolonhesa, quirera com pernil, polenta com frango e baião de dois.

Em comum, em todas as refeições servidas, estão os alimentos produzidos pela agricultura familiar. Na pauta de aquisições estão produtos como alface, feijão, banana, kiwi, morango, maçã, caqui, jabuticaba, pera, uva, laranja, goiaba, melancia, milho e polpa de frutas. Tais alimentos possuem outro diferencial, além dos citados: são frescos, pois são produzidos e entregues duas vezes por semana nas unidades de ensino.

A Associação Colônias Iapó, Santa Clara e Vizinhanças, que reúne 115 agricultores familiares, é uma das entidades que atende a alimentação escolar de Castro. Rita Goltz, presidente da Associação, atesta a qualidade dos produtos: “Cada produtor faz a sua entrega nas escolas com a etiqueta de rastreabilidade. Todo o sistema de entrega é monitorado desde a origem até o consumo.”

 

Janaína Souza
Estagiária sob supervisão da Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Contatos: (61) 2020-0120 e imprensa@mda.gov.br

 

Ir para o Topo