É grande a expectativa para o Encontro Nacional dos Núcleos de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica

sexta-feira, 8 Setembro, 2017 - 11:00
Divulgação
Oficina do Projeto de Sistematização de Experiências

Dentro da pauta agroecológica dos próximos dias, será realizado o Encontro Nacional dos Núcleos de Estudo em Agroecologia e Produção Orgânica (NEAs). O evento acontecerá no Centro de Formação Vicente Cañas (CFVC), em Luziânia (GO), entre os dias 8 e 11 de setembro, e contará com a presença de mais de 60 representantes do projeto de diferentes regiões do Brasil. A Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), por acreditar na importância de fortalecer o ensino, a pesquisa e a extensão voltados à construção do conhecimento em agroecologia nas universidades, apoia a construção e manutenção dos NEAs.

Atualmente, existem 192 NEAs espalhados pelo território brasileiro, em 102 instituições de ensino superior. Eles foram constituídos a partir do esforço da Sead em parceria com outros órgãos, como Ministério da Educação (MEC), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). 

Dentre os objetivos dos Núcleos, destaca-se a formação de profissionais e técnicos capazes de possibilitar benefícios ambientais, sociais e econômicos no campo, ampliando o acesso a conhecimentos e tecnologias relacionadas à agroecologia e produção orgânica.

Gabriela Cunha, gestora governamental da Coordenação-Geral de Agroecologia e de Produção Sustentável da Sead, destaca a importância desse tipo de implementação para as famílias do campo. “Alguns projetos têm foco mais na pesquisa, outros mais na extensão, outros no ensino, mas eles necessitam desenvolver alguma atividade nessas três dimensões. No caso das extensões, os estudantes podem realizar atendimentos em assentamentos e comunidades rurais específicas, intercambiando o conhecimento que é produzido na universidade com os agricultores familiares, o que é muito positivo.” 

Para que os órgãos apoiadores consigam ter um acompanhamento mais específico sobre os resultados dos Núcleos, foi criado, em 2015, o Projeto de Sistematização de Experiências. Nesse cenário, a Universidade Federal de Viçosa (UFV), que participa dos NEAs há mais de 10 anos, foi escolhida para coordenar o Projeto. “Esse encontro, que vai acontecer antes do X Congresso Brasileiro de Agroecologia (CBA), é parte de uma devolução de resultados. É um desafio poder expandir esse tema. As universidades têm muito a contribuir como parceiras dos órgãos governamentais nessa expansão”, explica a representante da Sead. Saiba mais sobre o Congresso aqui.

Gabriela Cunha complementa como é esse impacto para o Governo Federal: “Para nós, da Secretaria, há um desafio de cada vez mais fortalecer essa integração da universidade com o atendimento aos agricultores familiares. A gente sabe que em muitas universidades isso acontece, mas em outras, precisamos fortalecer.”

Origem

A presidente da Associação Brasileira de Agroecologia e professora da UFV, Irene Cardoso, explica o que deu origem aos NEAs. “Duas ações precederam e permitiram a construção dos Núcleos. Foram os Grupos de Agricultura Alternativa, na década de 80, quando o termo agroecologia ainda não existia. E nos anos 90, os Grupos de Agroecologia.”

A professora, que está à frente do Projeto de Sistematização de Experiências, explica que a ideia dos Núcleos surgiu em uma reunião pré-CBA. “Seria muito difícil mudar o currículo das universidades, logo, a ideia de implantar um núcleo partiu do modo hegemônico das instituições trabalharem com a agroecologia e o campo brasileiro. ”

Em relação à agricultura familiar, Irene destaca: “A agroecologia tem uma articulação muito boa com os agricultores familiares. Não é exclusiva desse modelo de produção, mas é uma base muito forte, por causa dos camponeses, que têm contato de cooperação com a natureza, que mantém os bens naturais funcionando para as futuras gerações.”

Sobre o Encontro, a professora fala com animação. “Eu estou percebendo a movimentação nacional. Tem gente chegando dos estados, trazendo produtos e alimentos. Muitos estudantes, professores e pesquisadores estão vindo com uma boa expectativa.” Irene utiliza de um indicador para saber se o evento vai ser bom: É quando todo mundo fala que quer participar. “E é o que está acontecendo com o nosso Encontro. Tem muita gente interessada nele”, comemora.


Carolina Gama 
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0128 / 0127 e imprensa@mda.gov.br

Tags da notícia: 
Ir para o Topo