A importância de ampliar o Arca das Letras

Crédito da fotografia: 
Rômulo Serpa / Ascom Sead

 

O Programa de Bibliotecas Rurais Arca das Letras existe desde 2003 e é considerado uma das políticas mais relevantes no que se refere à formação cultural dos agricultores familiares atendidos pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead). Desde que assumiu a Coordenação Geral de Gestão Social e Articulação de Politicas Publicas (CGPP), Thais Voltolini tem se esforçado para aperfeiçoá-lo e, muito mais do que dar continuidade ao projeto, ampliá-lo. O objetivo é torná-lo mais acessível a um maior numero de pessoas, em diferentes regiões do país. Formada em direito, ela explica, na entrevista a seguir, como pretende alcançar tais objetivos.


Como você define o lugar do Arca das Letras na CGPP?
O Arca das Letras é um projeto de grande importância aqui. Nossa meta para este ano de 2017 é implementar 800 novas bibliotecas rurais em todo o Brasil. Algumas delas já estão sendo articuladas, com acervos separados e só não foram entregues ainda por questão de capacitação, que estamos providenciando. 

Qual a maior qualidade do programa, na sua opinião?
Acho que uma das maiores qualidades é justamente tentar promover e aproximar as comunidades aos hábitos de leitura. Muitas famílias têm o acesso bastante dificultoso e o Arca das Letras tenta diminuir esse espaço para dar o alcance aos mais diferentes tipos de livro. Temos livros com informações técnicas, juvenis, infantis, literatura etc. Tentamos formar kits que são entregues com vários tipos de materiais. Considerando a taxa de analfabetismo que tem no Brasil, um programa como este é essencial para melhorar os nossos índices sociais. 

Qual a perspectiva de ampliação do programa?
Estamos buscando novos articuladores em todos os estados. Queremos usar as estruturas das Delegacias Federais do Desenvolvimento Agrário (DFDAs) para aproximar dos municípios e vermos de fato qual a necessidade das comunidades. Com esse procedimento, o nosso intuito é conseguir novas parcerias com entidades privadas e públicas para obter tanto a confecção do móvel da arca, quanto a doação de novos acervos. Como citei anteriormente, nós usamos kits com vários tipos de livros e muitas vezes não conseguimos entregar a arca por falta de livros de alguma modalidade, como por exemplo, livros infantis. Temos uma demanda muito grande para esse ano, vários estados solicitaram bibliotecas rurais, mas a arca precisa estar completa para esse acontecimento. 

E o acervo de doações, onde fica e como funciona?
Todas as doações que recebemos ficam no deposito do projeto, na Asa Sul, em Brasília (SCLS 307, Lotes 1 e 2, Bloco A, Loja 3). Outro fator importante que estamos tentando resolver é justamente designar um novo local para guardar esses acervos e termos condição de guardar as doações até serem entregues para as comunidades. 

 

Tereza Rodrigues e Rebeca Haddad
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0122 e imprensa@mda.gov.br

Nome do entrevistado: 
Thais Voltolini
Ir para o Topo